Tailândia, Vietnã, Laos e Camboja

/, Melhores Destinos - Internacionais/Tailândia, Vietnã, Laos e Camboja

Tailândia, Vietnã, Laos e Camboja

Bangkok e Phi Phi, na Tailândia, Vientiane e Luang Prabang, no Laos, Hanói, Ha Long Bay, Sapa e Ho Chi Minh City, no Vietnã, e Siem Reap, no Camboja. Lugares apaixonantes, cheios de história, tradições, paisagens de tirar o fôlego, gastronomia de primeira, além de um povo extremamente receptivo e hospitaleiro. Um roteiro fantástico com o qual muitos sonham e que, ao contrário do que muita gente pensa, pode sim tornar-se realidade. 

Em sentido horário: Ha Long Bay, no Vietnã, Maya Bay, na Tailândia, Pôr do Sol em Vientiane, no Laos, e o Templo de Angkor em Siem Reap, no Camboja

Ao longo da nossa jornada encontramos pessoas que optaram por pacotes de agências de turismo que, em geral, disponibilizam tudo (ou quase tudo) do início ao fim da viagem. Mas está cada vez mais comum encontrar pessoas que montam seu roteiro por conta própria e o nosso intuito – a partir das informações publicadas nos nossos guias – é mostrar que montar um roteiro, e se aventurar pela bela região, não é nada de outro mundo! Confira algumas dicas: Tenha Foco Antes de mais nada, é preciso ser realista e definir o roteiro de acordo com o tempo disponível. Nós tínhamos cinco semanas, no total, e para aproveitá-las da melhor maneira possível, ralamos para produzir uma “primeira lista” com todos os países e cidades que julgávamos interessantes na região, considerando Bangkok como ponto de chegada e partida do continente. Em seguida, pesquisamos as principais atrações de cada uma dessas cidades e fizemos uma previsão de quantos dias seriam necessários em cada uma delas. Como a lista ficou enorme e o tempo era curto, infelizmente, tivemos que eliminar alguns destinos. No final, o nosso roteiro ficou assim: Bangkok -> Vientiane -> Luang Prabang -> Hanói (Ha Long Bay e Sapa) -> Ho Chi Minh -> Siem Reap -> Phi Phi. Veja mais em O Que fazer em Bangkok, Phi Phi, Luang Prabang, Hanói, Ho Chi Minh City e Siem Reap;

Nosso roteiro no Sudeste da Ásia. Imagem: Google Maps

Como se Locomover no Sudeste da Ásia Cidades como Bangkok, Hanói e Ho Chi Minh City são excelentes hubs do Sudeste da Ásia, e dependendo do roteiro escolhido, é bem provável que a sua chegada no continente aconteça nos aeroportos de umas dessas localidades. Fazer os deslocamentos entre esses destinos de avião foi nossa primeira opção, pois é sempre rápido e as passagens costumam ter bons preços. Nos guias de cada destinos temos um texto como chegar com mais informações. Já as passagens de ônibus, trem e barco, quando necessárias, foram adquiridas por intermédio dos hotéis onde nos hospedamos (percebemos que eles já estão bem acostumados a dar suporte para o hóspede, neste sentido); É importante frisar que o Sudeste da Ásia está bem conectado em termos de transporte. Mas durante o planejamento do roteiro é preciso ficar atento para a questão do deslocamento. Isso porque você não vai querer passar mais tempo dentro de um transporte, indo de uma cidade para a outra, do que no próprio destino, não é mesmo? Pense nisso! Veja mais em Como Chegar em Bangkok, Phi Phi, Luang Prabang, Hanói, Ho Chi Minh e Siem Reap;

Embarque no Aeroporto de Siem Reap
Embarque no Aeroporto de Siem Reap, no Camboja

Reservando Hotéis A hospedagem no Sudeste da Ásia também não costuma ser cara. Com exceção de Phi Phi, a famosa ilha tailandesa do filme “A Praia”, nos hospedamos em hotéis excelentes pagando 30 dólares, em média, em uma diária para duas pessoas, com café da manhã incluso e outras regalias, como cestas de frutas e água mineral de graça. Todos os hotéis foram reservados previamente pelo Booking e com cancelamento gratuito, caso fosse necessário modificar alguma data. Veja mais em Onde Ficar em Bangkok, Phi Phi, Luang Prabang, Hanói e Siem Reap;

Quarto de hotel no barco, em Ha Long Bay
Quarto de hotel no barco em Ha Long Bay, no Vietnã

Dinheiro na Ásia – Quanto e Como Levar Esta é uma das dúvidas mais recorrentes e mais difíceis de serem respondidas, pois o montante a ser gasto durante uma viagem dessas vai depender muito do tipo do viajante. A boa notícia é que os destinos do Sudeste Asiático costumam agradar a todos os perfis, desde os mais econômicos aos mais abastados. Em cidades como Hanói, por exemplo, gastávamos uma média de 25 a 30 dólares por dia, fazendo refeições em bons restaurantes e barracas de rua, nos locomovendo de táxi e visitando muitas atrações. Seguindo as dicas de outros viajantes, levamos dólares em espécie, além de cartões de débito e crédito devidamente habilitados para o uso na Ásia. Porém, isso foi antes do aumento do IOF, portanto, para conhecer a melhor maneira de levar dinheiro em viagens ao exterior, clique aqui.

Ao longo de nossa jornada só encontramos pessoas carismáticas e receptivas

Seguro de Saúde Durante a nossa passagem pela Ásia enfrentamos a ameaça de um tufão, seguida por um alagamento em Hoi An, no Vietnã, episódio que acabou cancelando a nossa estadia na bela cidade. Felizmente, nada mais sério aconteceu, mas a experiência nos mostrou o quanto é importante preparar-se para situações de emergência e saber lidar com imprevistos em viagens, adquirindo um bom seguro-saúde e levando sempre anotados os contatos da Embaixada/Consulado do Brasil. Vistos Depois de definir o roteiro, as passagens, os hotéis e buscar o seguro saúde, chega a hora de correr atrás dos vistos. Com exceção da Tailândia – que apenas cobra o certificado da Vacina contra a Febre Amarela – todos os outros países do nosso roteiro exigiam visto de entrada para brasileiros. No nosso caso, o único visto tirado no momento da chegada ao país foi o do Laos, mas o restante foi adquirido pessoalmente, na Embaixada, ou pela internet, no chamado Visa On Arrival, um formulário que deve ser preenchido com antecedência e pago com cartão de crédito. Depois disso, o documento que será apresentado pelo passageiro na chegada ao país é enviado por e-mail. Um método fácil e muito seguro! Saiba mais sobre vistos de entrada na Tailândia, no Laos, no Vietnã e no Camboja;

Em sentido horário: urso da organização Free the Bears, o monumento Pha That Luang e a cachoeira Tad Sae, no Laos. Já na última foto, um dos maravilhosos pratos que experimentamos durante a nossa estadia na região

Segurança/Idioma Ao longo das cinco semanas de viagem não tivemos nenhum problema sério com relação à segurança (exceto a ameaça do tufão e o alagamento em Hoi An). É claro, ficamos muito atentos para os famosos golpes em Bangkok – como o do tuk tuk em frente ao Grande Palácio – e em Hanói ficávamos sempre “de olho” nas mochilas, celulares e câmeras fotográficas, pois o staff do hotel nos alertou para a ocorrência de furtos na região do Old Quarter. Além disso, em destinos mais tranquilos como Luang Prabang, Siem Reap e Phi Phi encontramos adultos viajando com crianças e casais/grupos de idosos, mas isso não quer dizer que os mais movimentados – como Bangkok e Hanói – não fossem adequados para pessoas nessas faixas etárias. Pelo contário! Quanto ao idioma, também tão tivemos problemas. Toda a comunicação – do começo ao fim da viagem – foi feita em inglês, porém em localidades como Sapa e Hanói, no Vietnã, acabamos encontrando locais que falavam, além do inglês, francês, espanhol e até alemão. Impressionante! E a comida? O Sudeste da Ásia costuma proporcionar ao viajante uma experiência gastronômica incrível e a boa notícia é que os preços, em geral, são excelentes. No mercado de Ho Chi Minh City, por exemplo, gastamos menos de US$ 10 em uma refeição completa para duas pessoas, com bebidas incluídas. Mas se você não for lá muito fã da gastronomia oriental, também não terá problemas para se alimentar nessas localidades turísticas, que acabam oferecendo opções para todos os gostos.   Os apaixonados por comida de rua só devem atentar para a higiene do local escolhido, pois ficar doente em uma viagem como esta não vai ser nada bom!   

2018-02-22T17:48:16+00:00Categories: Melhores Destinos, Melhores Destinos - Internacionais|

Leave A Comment

Este website usa cookies e serviços de terceiros. Política de Privacidade Ok